9/4/2018 17:00 Disputa comercial entre China e EUA pode ajudar o Brasil, diz secretário

O secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Marcello Estevão, disse hoje (9) que a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China poderá beneficiar o Brasil, e por extensão, o Mercado Comum do Sul (Mercosul).

Em entrevista a jornalistas durante o seminário Mercosul e os Fluxos de Comércio, na Fundação Getulio Vargas (FGV), Estevão disse que a disputa comercial entre duas das maiores economias do mundo, pelo menos até o momento está sendo positiva para o Brasil.

“É claro que uma guerra comercial entre duas economias do tamanho da americana e da chinesa não é bom para ninguém e todos têm a perder. Mas, pontualmente, o que eu tenho visto, é que ela está nos ajudando. Na questão da soja, por exemplo, a decisão da China de impor tarifa sobre a exportação do produto dos Estados Unidos ajuda os produtores de soja do Brasil”, disse.

Para o secretário, o clima ruim em um ambiente de relações comerciais internacionais não pode ser bom para ninguém. “Você está em uma situação como a daquele cidadão que está passando na rua e leva uma bala perdida. Era o caso do aço, por exemplo, onde quase acabamos por levar uma bala perdida. É verdade que no caso do aço conseguimos uma exceção, mas e se não conseguíssemos?”.

Na avaliação do secretário, “se realmente a China fizer um boicote ou aumentar a tarifa para bens de commodities que os Estados Unidos exportam muito, o Brasil se beneficiará porque é um país exportador de commoditie”. Alertou, no entanto, que “amanhã o tema também pode ser outro”.

Para Estevão a disputa comercial entre a China e os Estados Unidos ajuda o Brasil porque os países que querem fazer acordos e ampliar as relações comerciais vão fazê-lo com o Brasil e com o Mercosul. “E este é o momento adequado para fazê-lo, porque outros blocos comerciais vão querer se aproximar de quem está a favor de uma aproximação”.

Meirelles

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles disse hoje (9), no encerramento do seminário Mercosul e os Fluxos de Comércio, na Fundação Getulio Vargas (FGV), que o país poderá gerar este ano cerca de 2,5 milhões de empregos e consolidar a recuperação de sua economia. Para isso, no entanto, Meirelles disse que o Brasil precisa manter o rumo e promover as reformas necessárias.

“Eu acredito que o próximo presidente possa consolidar uma trajetória de crescimento do Brasil a taxas superiores a 3,5% ou até a 4% nos próximos anos; com criação de emprego, aumento de renda e com condições de investir em educação, segurança e saúde e todas as necessidades fundamentais ao Estado brasileiro”.

 

Edição: Fernando Fraga

Fonte: Agência Brasil - http://agenciabrasil.ebc.com.br


MAIS NOTÍCIAS DE ECONOMIA



18/3/2019 8:56 Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%

17/3/2019 18:52 Evacuação em Nova Lima afeta turismo e economia da cidade mineira

15/3/2019 16:27 Brasil e Emirados Árabes firmam acordo nas áreas de economia e turismo

14/3/2019 20:25 Corte de pessoal gera economia de R$ 200 milhões, afirma presidente

28/2/2019 9:08 Incerteza da Economia recua 0,2 ponto em fevereiro, mostra FGV

19/2/2019 17:46 Indicador antecedente da economia fecha janeiro com expansão de 2,9%

5/2/2019 18:17 Governo projeta economia de R$ 1 trilhão com reforma da Previdência

30/1/2019 20:24 Ministério da Economia reduziu 2,9 mil cargos em comissão

25/1/2019 18:01 Não aprovação de reformas pode comprometer economia do Brasil, diz FMI

2/1/2019 20:26 Ministério da Economia nasce com sete secretarias especiais